Pesquise aqui os produtos mais baratos da internet. O Marudá Ofertou

segunda-feira, 21 de maio de 2018

Centros eleitorais vazios marcam eleição na Venezuela

Centros eleitorais vazios marcam eleição na Venezuela: A movimentação de eleitores era mínima pela manhã no bairro que é considerado o maior bastião do chavismo do país
© Miraflores Palace/REUTERS A movimentação de eleitores era mínima pela manhã no bairro que é considerado o maior bastião do chavismo do país
Em eleições passadas, o presidente venezuelano, Hugo Chávez (1954-2013), chegava ao liceu Manuel Palacio Fajardo, no emblemático bairro 23 de Enero, dirigindo um lustroso fusca vermelho. Do lado de fora, uma multidão emocionada o esperava enquanto filas de eleitores se formavam até do lado de fora.

Não havia nada parecido na controvertida eleição deste domingo (20), em que seu herdeiro político, Nicolás Maduro, busca assegurar um mandato de mais seis anos.

A movimentação de eleitores era mínima pela manhã no bairro que é considerado o maior bastião do chavismo do país. A reportagem contou apenas 29 pessoas entrando no prédio onde Chávez votava entre as 8h03 e as 8h13.


Desse total, oito desembarcaram da boleia de um caminhão da Fontur (Fundo Nacional de Transporte Urbano), do governo federal. A prática é ilegal pela lei eleitoral.

A maioria dos eleitores era de idosos. Após votar, eles se dirigiam ao Ponto Vermelho, instalado do outro lado da rua sob um pequeno toldo. Ali, mostravam, para ser escaneado, o Carnê da Pátria, com o qual o portador tem acesso a cestas básica, atenção médica, entre outros serviços públicos.

Numa tentativa de atrair eleitores, Maduro promete pagar um bônus a quem apresente o Carne da Pátria nos Pontos Vermelhos, montados perto e até mesmo dentro dos centros de votação. Segundo relatos de eleitores, o valor é de 10 milhões de bolívares (US$ 11).

+ Cuba confirma 110 mortos em acidente aéreo

"O que a gente ganha não dá nem para comer, quem vai se entusiasmar com essa eleição?", disse o pintor de carros Jesús Pereira, 80, que não quis dizer em quem votou, após apresentar seu Carnê da Pátria. Morador do bairro desde os 15 anos de idade, disse que "todos estão saindo do país como os pássaros. Quem pode, vai embora".

Aos que continuam em 23 de Enero, o clima é de medo, afirma Pereira. "Antes, podia-se andar à noite. Hoje, às 19h, já não tem ninguém na rua."

Vestida com uma calça estampada com a bandeira venezuelana, a chavista Milagros Ramírez, 53, disse que a falta de filas se devia ao processo mais rápido de votação.

Ela atribui a crise econômica venezuelana aos empresários, que estariam promovendo uma guerra econômica contra o chavismo. "Isso não está fácil, mas temos de continuar apoiando do governo", diz a técnica de recursos humanos aposentada por invalidez.

Após votar, o principal candidato da oposição, o dissidente chavista Henri Falcón exortou o CNE (Conselho Nacional Eleitoral), servil ao governo, a fechar os Pontos Vermelhos, acusando-os de "mecanismo de controle" dos eleitores.

"Exigimos jogo limpo e transparência", acusou o ex-governador de Lara, que lidera as pesquisas de opinião mais confiáveis. "Não podemos permitir essa chantagem."

Bastião opositor

Na zona leste de Caracas, zona antichavista que concentra bairros de classe média e alta da capita venezuelana, os centros de votação estavam ainda mais vazios.

A falta de eleitores se deve em parte à campanha da coalização oposicionista MUD (Mesa da Unidade Democrática) pela abstenção. Seus principais líderes, Henrique Capriles e Leopoldo López, foram impedidos de concorrer.

No Colégio San Ignacio, no bairro nobre La Castellana, apenas dez eleitores apareceram para votar entre as 9h29 e as 9h39 –um por minuto. Ali, não havia um Ponto Vermelho.

"Não que eu goste de Falcón, mas a outra opção é uma fantasia de que os EUA vão invadir a Venezuela. Isso não vai acontecer", diz o advogado Henrique Castillo, 41.

Em tom de brincadeira, disse que sua mulher deixou de falar com ele porque decidiu votar. "Mas não creio que a abstenção seja uma demonstração de força." Com informações da Folhapress.

Folhapress

O Marudá Ofertou

Publicidade: Sua marca aqui! 728 x 90

Publicidade: Sua marca aqui! 728 x 90

Publicidade: 1

Arquivo de postagens do site